Descubra como o bordado pode transformar sua vida

O poder de transformar nossas vidas é só nosso e de mais ninguém. Se você se inscreve em um curso de bordado, por exemplo, porque ouviu dizer que bordar transforma a vida das pessoas, saiba que o primeiro passo dessa transformação terá sido a própria decisão de aprender a bordar. Mesmo que tenha procurado o bordado apenas como hobby, algo lá dentro de você sinalizava (ou bordava!) a necessidade de mudança. Essa decisão de aprender a bordar é como fazer o login. É o abre-alas de tudo o mais nesse universo de manualidades.

Passado a limpo o primeiro ponto desse bordado íntimo, voltamos à questão:

Bordar pode mesmo transformar nossas vidas?

Descubra como o bordado pode transformar sua vida

Grupo de pessoas tendo aulas sobre bordadoSim, pode. Parece incoerência, mas não é. Quando se trata de arte, o assunto sempre envolve transformação ou metamorfose. Em outras palavras, a arte pode abrir um espaço original e único no mais íntimo de nós. A arte provoca, instiga, causa, mexe, tira a forma do lugar, reforma e trans…forma! Não por acaso governos ditatoriais desconfiam e até reprimem iniciativas artísticas.

Com a arte do bordado essa mesma alquimia de transformação acontece. E nesse caso, o protagonista é aquele que borda. Utilizamos o bordado livre como linguagem, em processos de autoconhecimento, justamente porque sua prática melhora a concentração, a autoestima, diminui a ansiedade, dentre outros benefícios que observamos ao longo de mais de vinte anos de trabalho, o que é confirmado por pesquisas recentes. Segundo estudos desenvolvidos pelo médico cardiologista Herbert Benson – Professor de Medicina Integrativa de Harvard, “bordar e tricotar levam ao mesmo estado de relaxamento vivenciado pelos praticantes de meditação e Yoga. Além disso, depois do período de adaptação e aprendizagem, estas atividades manuais contribuem para diminuir a frequência cardíaca e pressão arterial, além de reduzir os níveis do cortisol – hormônio do estresse”.

Bordado entre nós

Bordado em grupo como forma de arte

Bordar pode mesmo transformar a vida das pessoas.Aqui vale uma observação. Uma coisa é você bordar na companhia de si mesmo, e outra bem diferente é bordar com outras pessoas. Quando nos reunimos para qualquer tarefa, seja ela bordado ou não, uma série de sensações entram em cena pelo simples fato de estarmos reunidos. São múltiplos os universos que interagem quando somos movidos por uma intenção comum. Nós, hoje, estamos reaprendendo a arte de compartilhar experiências, e claro que isso nada tem a ver com as redes sociais na internet. Portanto, encontros presenciais e rodas de conversa sempre têm grande potencial transformador.

O Grupo Matizes Dumont desenvolveu uma metodologia específica para lidar com o bordado em processos de autoconhecimento, chamada (A)Bordar o ser, por acreditar no bordado livre como forma de expressão e desenvolvimento humano em processo pessoal ou coletivo. Esta vivência social e psicopedagógica é utilizada em diferentes processos individuais e coletivos, e vem propiciando a discussão sobre o cuidado consigo mesmo e com o outro; promove reflexões sobre a melhoria da qualidade de vida, a relação entre saúde e meio ambiente e o bem-estar físico e psicológico.

O bordado permite “um estar consigo”, e uma reaproximação com as emoções e sensibilidade. O trabalho com a autoria melhora a autoestima, propicia transformações importantes no pensar, compartilhar, agir, ser. Contribui para mudanças internas, para melhorar o equilíbrio emocional, aumentar a confiança, para a superação de dificuldades, para a promoção da saúde e qualidade de vida. Participantes revelam entusiasmo, constatam melhoria no humor, na compreensão da realidade e no desejo de imprimir novos movimentos em direção às mudanças de vida.

Grupo de oficina de bordado
Projetos de inclusão social para geração de emprego e renda.

Centenas de pessoas foram envolvidas nestes processos coordenados pelo Grupo Matizes Dumont em diferentes situações ao longo de mais de duas décadas: projetos de inclusão social para geração de emprego e renda, mobilização social, e também no mundo do trabalho com profissionais de saúde, em instituições públicas e privadas, em sala de aula, psicologia clínica.

Neste longo caminho pespontado, o bordado foi reconhecido como prática da Promoção da Saúde, e é justamente pela sua possibilidade de mobilizar os conteúdos internos que vem sendo utilizado em processos terapêuticos, agora também por outros profissionais de saúde. As vivências de sensibilização por meio do bordado nos aproximam de conteúdos internos, e esse encontro, consequentemente, promove transformações no pensar, no sentir e na forma de atuar no mundo.

Portanto, acredite, incluir na agenda um curso de bordado ou uma oficina (A)Bordar o ser, sozinha(o) ou bem acompanhada(o), será sempre uma possibilidade de transformar sua vida.

 

 

Faça como a Beatriz e também venha bordar conosco! Veja o resultado da bordação dela e confira as datas das próximas oficinas.

Oficina de bordado Matizes Dumont
Oficina de bordado Matizes Dumont